quinta-feira, 8 de agosto de 2013

AUTOBIOGRAFIA DE UM ZÉ

Em guri, neguim de morro,
Eu vivia a tomar bolas
Dos guris de lá do asfalto
E a levar e dar porradas.

Empurrei carrim de feira
E sonhava ser um craque,
Afanava nos mercados
E sonhava a seleção.


Pela minha adolescência,
Ouvi que era um negro lindo
E quis ser galã da Globo
Ou, então, um gigolô.


Hoje, aos vinte e cinco anos,
Tenho mais de três ofícios,
Mas componho alguns pagodes:
Quero mesmo é ser artista!


Fui servente de pedreiro,
Trabalhei já de mecânico,
Tive muitas profissões,
Mas nem todas tão honestas.


Fui porteiro, vigilante,
Camelô, pintor, garçon,
Já fui cabo-eleitoral:
O que eu quero é ficar vivo.


Já rezei pra todo santo,
Me enfiei entre evangélicos,
Pus despachos nas esquinas,
A pedir vida de gente.


Já fiz parte de uma greve,
Já votei nesses sujeitos.
O que eu quero não é muito:
É levar vida de gente.


Quando sem querer meus olhos
Dão co'os olhos tão opacos
E tristonhos dos meus entes,
Já não sei mais o que quero
Ou se mesmo quero algo:
No sem-vida dos seus rostos
Eu enxergo o que é real,
Vejo morto qualquer sonho,
Qualquer fio de esperança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário